Poesia: Quem é Deus?

Para a criança, é o papai do céu
a quem pede proteção.
– Abençoa papai, mamãe.
Dá a cada dia o pão.
Deus da criança inocente,
Deus da mãe ocupada.
Deus que consola na dor,
Deus da alma enlutada!

Para o jovem, é o cara lá de cima
que não o incomoda ou intimida.
Ele que fique por lá,
deixe-me gozar a vida!
Deus que está longe,
Deus que não é pessoal.
Deus que ama o pecado,
Deus, tão banal!

Para o caboclo no campo,
Deus a chuva dá.
Ele ajuda na colheita
e faz a mágoa passar!
Deus que se preocupa com o pobre.
Deus que sofre com a guerra.
Deus que faz cair água
na sequidão da terra!

Para o deísta, Deus está morto.
Criou a terra e se cansou.
Deixou tudo nas mãos do homem,
que a tudo dominou.
Deus que já morreu.
Deus que não se importou
com os homens e suas obras.
Deus que nunca amou!

Para o ateu, Deus não existe.
Isolado em sua racionalidade,
vocifera: – Que Deus é este?
Não existe eternidade.
Deus que não se revela.
Deus que não é imortal.
Deus que só existe na mente
do crédulo irracional!

Para teólogos medíocres,
Deus é um criado pessoal.
Deus que precisa de esmolas,
Deus que se curva, afinal.
Deus a ser barganhado.
Deus a quem se cobram favores.
Deus que tem de servir
aos gananciosos pecadores!

Para muitos, Deus está encoberto.
Mas, se revela ao temente,
pois busca adoração
da alma sincera do crente.
Deus que criou o mundo.
Deus que enviou Jesus.
Deus que a todos ama.
Deus que se revela na cruz!