Poesia: Lembranças de São Paulo

São Paulo em 1954 comemorava o IV Centenário
Em meio a muitos festejos, o clima era de euforia
e como tantas, uma família de nordestinos viria
Morar em São Paulo!

Jamais havia contemplado uma cidade tão grande.
Jamais havia sentido um inverno tão duro.
A decisão fora acertada? Como seria o futuro?
Vivendo em São Paulo?

Bairro distante, sem água, com poucos ônibus,
dinheiro curto, o salário do pai não bastava,
então, de madrugada, a mãe roupas passava.
Mas, estavam em São Paulo!

Infância pobre, vida dura, parentes chegando,
e recebendo dos conterrâneos a hospitalidade,
que os ajudava a sobreviver na grande cidade.
Bondosos, compartilhavam o pão em São Paulo!

Casa com quintal, água de poço, sem muito conforto,
mas, com brincadeiras de roda, currupiu, amarelinha.
No galho da goiabeira guardava seus escritos, a menina,
e vivia feliz em São Paulo!

Do grupo escolar, ficou a lembrança no retrato,
sentada à mesa, com o globo ao lado.
Como foi boa a época de aprendizado,
estudando em São Paulo!

Alegria da adolescência, sorriso nos lábios, vento no rosto,
mãos dadas com a amiga, desfrutando a manhã,
na Avenida Edu Chaves, pertinho de Jaçanã,
pedalando em São Paulo!

Ônibus lotado, filas imensas na Estação da Luz.
Em pé na condução, sem descanso, sem novela.
A janta da noite era um pão com mortadela,
no colégio em São Paulo!

Hora do almoço, saudável companheirismo.
Como era boa a caminhada até o restaurante,
compartilhando sonhos, sempre falante,
trabalhando em São Paulo!

Fim da tarde, mais um dia de jornada cumprido.
Saindo apressada, sentia a solidão na multidão.
Junto a estranhos, cruzava a Ipiranga com a São João.
Regressando do trabalho, em São Paulo!

Brincou, estudo, trabalhou, sonhou
ilusões mil, mesmo na vida corrida.
Casada, com dois filhos, parte da jornada vencida,
partiu para Campinas, deixando São Paulo!

Agora, só restam as lembranças
da infância pobre, mas feliz; dos parentes que se foram,
dos caminhos percorridos, da cidade acolhedora.
Saudades de São Paulo!

(2009)